Pular para o conteúdo

Instituto Geológico participa da elaboração de estudo sobre a presença de nitrato nas águas subterrâneas paulistas

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente lançou um documento de referência, inédito no estado de São Paulo, sobre a incidência de nitrato nas águas subterrâneas paulistas. O “Boletim Nitrato nas Águas Subterrâneas: Desafios Frente ao Panorama Atual” apresenta um panorama sobre o contaminante, abrangendo aspectos como ocorrência, fontes potenciais de contaminação, efeitos nas saúdes humana e animal, bem como propõe estratégias e recomendações para a prevenção e redução do problema.

O nitrato é o contaminante de maior ocorrência em aquíferos no Brasil e no exterior. A substância é utilizada mundialmente como indicador de contaminação das águas subterrâneas devido à sua alta mobilidade, podendo atingir extensas áreas. Embora seja de média toxicidade, pode causar doenças.

O boletim é destinado a gestores de recursos hídricos e de saúde pública, além de profissionais especializados no campo das águas subterrâneas. Nele, os especialistas encontrarão informações sobre o que fazer para evitar a contaminação dos aquíferos por nitrato.

O documento foi elaborado pelo Grupo de Trabalho (GT) – Nitrato, da Câmara Técnica de Águas Subterrâneas no Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CRH). O GT contou com a participação de técnicos de instituições como o Instituto Geológico (IG), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas da Universidade de São Paulo (CEPAS-USP), além de consultores. O lançamento ocorreu durante reunião do CRH em 20 de dezembro de 2019.

Para acessar a publicação CLIQUE AQUI.

Convocação Reunião Mensal janeiro/2020

Estão convocados os membros da Diretoria Executiva, Conselho Deliberativo e Representantes dos Institutos de Pesquisa, biênio 2020/2021, para participarem da reunião mensal desta entidade, no dia 15 de janeiro de 2020, às 10h00, no Instituto Agronômico, Sala Tecnologia IAC, Av. Avenida Barão de Itapura, 1.481 – Campinas, com a seguinte pauta:

  1. Posse dos membros da diretoria e do conselho deliberativo;
    1. Andamento do registro de documentos (Atas, Termo de posse).
  2. Prestadores de serviços;
  3. Designações de representantes, componentes do Centro de Debates e Centro de Estudos;
  4. Mudança de sede;
  5. Tesouraria:
    1. Contas bancárias.
    2. Valores de anuidades em atraso.
    3. Admissão de associados.
    4. Situação de associados com duas anuidades em atraso.
  6. Informes sobre as ações judiciais em andamento;
    1. Ação civil pública n. 1049557-47.2018.8.26.0053 que objetiva a anulação da audiência pública realizada em 25.08.2017 sobre a alienação de Institutos de Pesquisa vinculados à SAA.
    2. Novidades sobre a proposta de reestruturação do Instituto Pasteur e Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD).
    3. Análise e encaminhamento quanto a resposta recebida referente ao questionário enviado aos Institutos de Pesquisa, via Frente Parlamentar, solicitando o levantamento de dados. 
    4. Isonomia Salarial: Estratégias passadas e futuras. Qual linha de atuação?
  7. Outros assuntos.

Campinas, 06 de janeiro de 2020

João Paulo Feijão Teixeira

Presidente APqC

Projeto "Férias no Butantan" oferece atividades para crianças e adultos durante o mês de janeiro

Teve início ontem (7), no Instituto Butantan, mais uma edição do projeto Férias no Butantan, que oferecerá mais de 30 atividades para crianças e adultos, com o objetivo de estimular o interesse por ciências. Até o dia 31 de janeiro, atividades permitirão desde a observação de fungos pelo microscópio até participar de uma escavação arqueológica. Saiba mais.

Evento

O que é: Férias no Butantan 

Quando: programação de terça a domingo, entre os dias 7 a 31 de janeiro 

Público-alvo?: Crianças e adultos 

Valor: o ingresso único para todos os museus do Butantan custa R$ 6 (sendo R$ 2,50 a meia-entrada para estudantes). A entrada no parque e visitação ao macacário é gratuita

Local: Avenida Vital Brasil, 1.500, Butantã

Horário de funcionamento: das 9h às 17h 

Confira a programação completa aqui

Sidarta Ribeiro, diretor da SBPC, é entrevistado pelo Roda Viva

O programa Roda Viva recebeu ontem (06) o neurocientista Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e diretor da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Eleito em 2016 membro da Academia de Ciências da América Latina (ACAL), o pesquisador está lançando o livro O Oráculo da Noite: A História e a Ciência do Sonho e na entrevista ele fala, entre outros assuntos, sobre a guerra contra a ciência em curso no Brasil. Assista o programa na íntegra.

Diretor do IAC é eleito membro titular da Academia Brasileira de Ciências

O pesquisador científico e diretor-geral do Instituto Agronômico (IAC), Marcos Antonio Machado, foi eleito membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC) na área de Ciências Agrárias. A relação dos novos membros titulares e correspondentes resulta da eleição encerrada na Assembleia Geral Ordinária, realizada em 3 de dezembro de 2019, na Sede da ABC, no Rio de Janeiro. A posse dos novos Acadêmicos será realizada no Rio de Janeiro, na Escola Naval, em 13 de maio de 2020. Os membros titulares são cientistas radicados no Brasil há mais de dez anos, com destacada atuação científica.

Machado é diretor-geral do IAC desde 24 de janeiro de 2019. Pesquisador do Instituto da área de citricultura, foi diretor do Centro de Citricultura “Sylvio Moreira” do IAC de 17 de maio de 2003 a 1º de agosto de 2018, quando se tornou diretor-técnico do Centro de Programação de Pesquisa do IAC. Engenheiro agrônomo formado pela Universidade de Brasília, em 1978, tem mestrado em Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa, em 1981, e doutorado em Agronomia, pela Justus Liebig Universitat, Giessen, na Alemanha, em 1987.

Além das atividades no IAC, coordena o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Genômica Comparativa e Funcional e Melhoramento Assistido de Citros (INCT II), apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). É membro da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) e do Comitê Assessor do CNPq na área de Biotecnologia. Participa como orientador de mestrado e doutorado em cursos de pós-graduação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), nas áreas de genética, biologia molecular e biologia funcional e molecular; e na Universidade Estadual Paulista (Unesp), na área de genética.

Como pesquisador e gestor, Machado valoriza a qualificação da equipe como condutora ao futuro do conhecimento e enxerga a unidade de pesquisa como geradora e difusora de ciência e tecnologia, tendo o agricultor como usuário constante dos recursos gerados.

Fonte: Assessoria de imprensa do IAC

Boas Festas!

Votação da reforma da previdência é adiada para fevereiro na Alesp

A Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) informa aos seus associados e demais servidores públicos dos institutos de pesquisa que a discussão acerca da proposta de Reforma da Previdência, proposta pelo governo Doria, foi adiada mais uma vez. O prazo previsto para o tema retornar à pauta na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) é o mês de fevereiro do ano que vem, após o recesso parlamentar.

Em nota publicada no último dia 16, o Sindicato das Trabalhadoras e Trabalhadores do Tribunal da Justiça do Estado de São Paulo (SINDJESP) disse acreditar que o adiamento se deu em razão da luta e da unidade dos funcionários públicos em seu trabalho de pressão e diálogo junto aos deputados. A APqC endossa a opinião do SINDJESP e conclama aos pesquisadores paulistas para que se mantenham informados, por meio das redes sociais da associação, sobre as próximas atividades que realizaremos no sentido de tentar barrar a reforma previdenciária estadual, nociva à nossa categoria conforme já alertamos recentemente.

O adiamento da votação pode ser considerada uma vitória parcial dos servidores, pois ganhamos tempo para reorganizarmos a luta; porém, a mobilização permanente será determinante para a vitória final, uma vez que, provavelmente, o governo de São Paulo ainda não tenha o número de votos suficientes para aprovar a PEC 18/19 (57 votos) e o PLC 80/19 (48 votos), conforme avaliação dos colegas do SINDJESP.

A APqC seguirá acompanhando a tramitação da proposta do governo dentro da Alesp e divulgará novas informações a respeito, tão logo chegue ao seu conhecimento.

APqC apoia Dr. Dimas Tadeu Covas, diretor do Instituto Butantan, para Conselho Superior da Fapesp

A FAPESP está realizando, no período de 16 a 20 de dezembro de 2019, a votação para compor a lista tríplice para preencher uma vaga no seu Conselho Superior. Esta vaga é destinada às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa, Oficiais ou Particulares, em funcionamento no Estado de São Paulo, excetuadas as Universidades Estaduais Paulistas. As Instituições de Pesquisa do Estado de São Paulo que se credenciaram para votar até o dia 11/10/2019 foram: I. Botânica; I. Butantan; I. Economia Agrícola; I. Florestal; I. Tecnologia de Alimentos e SUCEN. Estas Instituições poderiam apresentar um candidato para representar os Institutos no Conselho Superior da FAPESP. Se inscreveram 2 representantes dos Institutos de Pesquisa, o Diretor do Instituto Butantan, Dr. Dimas Tadeu Covas e o PqC do I. Florestal Dr. Miguel Luiz Menezes Freitas. O currículo de ambos pode ser visualizado no site da FAPESP (https://votar.srv.br/fapesp2019/candidatos/index.html). O numero de PqCs que podem participar desta votação por instituto é dependente do numero de Doutores e de projetos na FAPESP (https://votar.srv.br/fapesp2019/documento/credenciadas.pdf), e aqueles que podem votar são indicados pela diretoria dos Institutos.)
A APqC considera de extrema relevância possuir um representante no Conselho Superior da FAPESP e apoia a candidatura do Dr. Dimas Tadeu Covas pelo seu empenho em reativar o Fórum dos Diretores, desde 2018, como um canal ágil para discutir as questões relevantes que os Institutos de Pesquisa vem enfrentando atualmente e também pela sua visão clara da distinção de papel entre os Institutos de Pesquisa e as Universidades na produção de conhecimentos aplicados à sociedade. Assim, estamos divulgando o seu plano de trabalho e a sua visão sobre os Institutos e como ele pretende atuar em caso de ser eleito como representante dos Institutos de Pesquisa.

Carta aberta do Dr. Dimas Tadeu Covas à categoria

Prezadas Pesquisadoras, Prezados Pesquisadores,
Os Institutos de Pesquisa do Estado de São Paulo são essenciais para o desenvolvimento tecnológico e econômico do país.
Diferentemente das universidades, os Institutos têm por missão pesquisar, desenvolver e produzir conhecimentos, processos e produtos que visem sanar desafios vividos pela sociedade paulista e brasileira nos mais diversos setores, como a saúde, a agricultura, o meio ambiente e a indústria.
Para cumprir esta importante missão, os Institutos dependem do apoio do governo. O entendimento da especificidade desta missão é, portanto, fundamental para a obtenção perene deste apoio, que acontece por meio dos órgãos de fomento que são diretamente responsáveis pela avaliação, financiamento e, por fim, aprovação de projetos de risco.
E deste ponto origina o motivo da minha correspondência.
A FAPESP, órgão de fomento ligado a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, tem por missão apoiar as atividades de P&D no Estado. O que vem ocorrendo, entretanto, é que os recursos orçados para esta atividade acabam sendo majoritariamente direcionados para projetos de natureza exclusivamente acadêmica, advindos das Universidades. É essencial que tanto a pesquisa, quanto a P&D sejam contempladas pelas políticas públicas.
Os Institutos há muito reivindicam critérios adequados não só para a avaliação dos seus projetos, como também da performance de seus pesquisadores. Há muitas resistências a estes pleitos, em parte pela falta de compreensão da atividade de P&D.
Por estes motivos, é fundamental que os Institutos tenham um representante seu no Conselho Superior da FAPESP. Até recentemente, isso era impossível dado o Estatuto que privilegiava as Universidades Públicas. Com a mudança do Estatuto da FAPESP, pela primeira vez, os Institutos têm a real possibilidade de serem representados no Conselho.
Assim, eu me increvi como representante dos Institutos para a eleição que se inicia hoje, dia 16 de dezembro, e se prolonga até o dia 20 de dezembro. Acredito que será a oportunidade ideal para iniciarmos, enfim, uma profunda discussão sobre a necessidade de nossas expertises para o desenvolvimento científico e tecnológico do Estado e do País, em um ambiente ainda alheio as nossas características.
Gostaria de contar com seu voto como representante dos Institutos de Pesquisa do Estado. Se escolhido, defenderei a pauta de Integração dos Institutos ao sistema de C&T do Estado e do fortalecimento e valorização da carreira de Pesquisador Científico do Estado.
Peço o seu apoio neste momento crucial para todos nós.
Cordialmente,
Dimas Tadeu Covas
Diretor do Instituto Butantan

Pioneira da entomologia paulista, pesquisadora do Instituto Biológico é homenageada em Teresina

Zuleide Alves Ramiro, pesquisadora aposentada da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, que atuou no Instituto Biológico (IB-APTA), teve sua trajetória científica reconhecida durante o 1º Workshop de Mulheres do Agro, em Teresina (PI), que com o tema “A influência feminina no agro brasileiro”, reuniu nomes importantes do setor.

Zuleide foi chamada à frente da plateia, junto a outras entomologistas de destaque do país, e homenageada durante a apresentação de Ranyse Querino, da Embrapa (DF), intitulada “As mulheres que marcaram a entomologia brasileira”.

Formada em engenharia agrônoma, Zuleide dedicou sua vida profissional ao ensino e a pesquisa. Começou a trabalhar como professora primária da Secretaria da Educação do Estado do Rio de Janeiro e, em 1967, chegou à Secretaria de Agricultura e Abastecimento, indo para a Seção de Entomologia Agrícola, na Fazenda Experimental “Mato Dentro”, em Campinas (SP), pertencente ao Instituto Biológico. Ela ocupou vários cargos como chefe do Controle Biológico, além de diretora Geral do Instituto Biológico.

Tendo dedicado toda a vida à pesquisa científica, a pesquisadora demonstrou seu pioneirismo quando introduziu a técnica de Manejo Integrado em cultura de soja, o controle das cigarrinhas das pastagens e o manejo de pragas em culturas de algodão. Também realizou os primeiros trabalhos, no Brasil, relacionados com impacto na Entomofauna em algodão transgênico. Ocupou, ainda, a diretoria-geral do Instituto Biológico de 1995 a 1999, além de outros cargos de chefia na Instituição. Ainda hoje, mesmo aposentada, segue se dedicando a pesquisar os insetos e a agricultura.

A pesquisadora já havia sido homenageada oficialmente pela Sociedade de Entomologia do Brasil (SEB), em 2016, por seus relevantes serviços prestados à entomologia e o controle biológico no Brasil, durante a solenidade de abertura do XXVI Congresso Brasileiro de Entomologia.

Fonte: assessoria da APqC com informações da assessoria de imprensa do IB/APTA

Vídeo: IAC desenvolve programa de melhoramento genético em feijoeiros

Você sabia que o Feijão Carioca, uma das bases da alimentação do povo brasileiro, foi desenvolvido na Agência Paulista de Tecnologia? O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) é uma instituição de pesquisa da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo que, entre outras coisas, desenvolve um programa de melhoramento genético em feijoeiros. O canal de youtube do governo do Estado de São Paulo publicou vídeo sobre essa pesquisa e entrevistou o pesquisador científico do IAC, Alisson Fernando Chiorato. Confira.