Pular para o conteúdo

Instituto Butantan diz que Anvisa quer impedir fabricação de vacina chinesa no Brasil

Dimas Tadeu Covas é diretor do Instituto Butantan

O diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Tadeu Covas, afirmou ontem (22) que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está dificultando a produção da vacina CoronaVac ao retardar a autorização para importação de matéria-prima da China.

Segundo Dimas, havia um pedido de liberação do produto no dia 23 de setembro para fabricar 40 milhões de doses. No entanto, uma reunião foi marcada para tratar do assunto no dia 11 de novembro.

Conforme o diretor do Butantan, caso a liberação aconteça apenas em novembro, as primeiras doses da vacina só vão ficar prontas em janeiro, o que atrasaria uma imunização em larga escala da população brasileira.

A Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) considera a denúncia grave e defende que o motivo do atraso da Anvisa seja apurado imediatamente.

Semana do Servidor: A Confederação Nacional dos Servidores Públicos promove encontro online entre os dias 26 e 28/10

A Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP) promove, entre os dias 26 e 28 de outubro, a partir das 15h, a Semana do Servidor. O evento acontece tradicionalmente todos os anos na cidade de Serra Negra, interior de São Paulo, mas a edição 2020 será virtual devido ao novo coronavírus.

Neste ano, os temas discutidos serão Análise da Reforma Administrativa, com o professor da Universidade Estadual do Paraná e diretor jurídico da Agência de Fomento do Paraná, Nildo José Lubke, e participação do Deputado Federal e Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Serviço Público, Israel Batista; Covid-19 e o Desenvolvimento de Vacinas, abordado pelo médico geriatra e CEO do Grupo Toniolo Saúde, Dr. João Toniolo; e a Importância da Comunicação com a População, apresentado pelo doutor em Ciências da Comunicação pela USP, “Nem Filósofo, Nem Pensador – Facilitador”, Clóvis de Barros.

“Definimos uma programação diversificada e importante, com a mesma qualidade de sempre. Para isso, convidamos renomados palestrantes, que abordarão temas atuais. Os participantes poderão enviar suas dúvidas em tempo real, proporcionando uma troca de ideias e conhecimentos extremamente vibrantes para discutir o importante papel dos servidores públicos da sociedade”, diz o presidente da entidade, Antonio Tuccílio.

Para participar basta acessar o YouTube da CNSP.

Fonte: CPP

Pesquisas e inovações da APTA impulsionam produção de bananas no Estado de SP

Nosso querido Braguinha (Carlos Alberto Ferreira Braga) não tinha ideia de que suas palavras seriam premonitórias quando compôs “Yes, nós temos bananas” em parceria com Alberto Ribeiro, no Carnaval de 1938. A marchinha era uma crítica bem humorada à arrogância dos americanos que chamam os países da América Latina de “banana republics”. Pouco mais de 80 anos depois, o Brasil, que naquela época era importador de alimentos, tornou-se um dos maiores produtores e exportadores de grãos, carnes bovina e de frango, cana-de-açúcar, citros e, não poderíamos esquecer, de bananas.

As primeiras plantações da fruta surgiram na China, por volta do século III. Em 2018, a produção mundial de banana foi de 127,3 milhões de toneladas, das quais 24% foram cultivadas em território chinês. No Brasil, foram produzidas 6,8 milhões de toneladas, montante que posiciona o país como quarto maior produtor mundial, informa a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

Quatro estados brasileiros concentram mais da metade da produção nacional. São Paulo ocupa o primeiro lugar no ranking, respondendo por 15,7% do total produzido em 2018; na sequência aparecem Bahia (12,2%), Minas Gerais (11,3%) e Santa Catarina (10,5%), informam Silene Maria de Freitas e Maximiliano Miura, pesquisadores do Instituto de Economia Agrícola (IEA-APTA) e Flávio Luis Godas, engenheiro agrônomo da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais (Ceagesp).

Em 2019, a produção paulista alcançou 1,1 milhão de toneladas e respondeu por 19,3% (R$1,6 bilhão) do Valor da Produção das Frutas Frescas do Estado, valor que a posiciona em primeiro lugar no grupo. Para 2020, os dados do quarto levantamento de previsão de safra sinalizam pequena oscilação negativa de produção (-2,7%). A atividade poderá atingir o total de 1,03 milhão de toneladas da fruta, em uma área de 51,6 mil hectares, sendo que a região de Registro responde por 65% da produção paulista.

Existem várias cultivares – destinadas ao consumo in natura ou à preparação de receitas doces e salgadas – que são plantadas e consumidas, atendendo à preferência do consumidor. Dentre as variedades de banana cultivadas em São Paulo e que são comercializadas na Ceagesp, destacam-se: figo, maçã, nanica climatizada, ouro, prata e da terra. Provavelmente em função da diversidade de formas como a banana-nanica pode ser consumida, bem como a indicação da prata para processamento industrial, verifica-se que as principais variedades fornecidas no entreposto são a nanica climatizada (76%) e a prata (21,4%).

Tecnologia que vai do campo à mesa

Os bananicultores paulistas contam há décadas com as pesquisas, tecnologias e inovações desenvolvidas pelos institutos de pesquisa da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), da Secretaria de Agricultura. Os trabalhos auxiliam na tomada de decisão por parte dos produtores e gestores públicos, geram renda no campo e qualidade da fruta para os consumidores.

Um exemplo dessas pesquisas é o projeto “Bananicultura Circular” focado na banana nanica, para a Região do Vale do Ribeira, no contexto do programa estadual Vale do Futuro. O projeto está baseado nos conceitos de economia circular, nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU e nas diretrizes do Decreto da Cidadania do Campo 2030, alinhado com os programas e linhas estratégicas da Apta. Em fase de captação de investimentos, o projeto conta com equipe formada por 56 pesquisadores dos seis institutos de pesquisa e Apta Regional, além de profissionais de outras coordenadorias da Pasta e poderá ter como parceiros outras secretariais de governo, além de instituições públicas e privadas.

Também voltados à produção sustentável, os estudos de Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) ajudam a tornar os processos mais eficientes para reduzir os impactos ambientais. Nesse escopo, o projeto elaborado pelo Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital) analisou os indicadores ambientais de duas variedades, nanica e prata, de forma a promover seu consumo. Desenvolvido de acordo com o padrão internacional ISO 14040 e 14044, avaliou os sistemas de produção do Vale do Ribeira e Norte de Minas Gerais, principais produtores da banana prata, entre 2011 e 2014.

A variedade prata apresentou menor potencial de aquecimento global do que a nanica por usar menos adubo azotado e exigir que sejam percorridas menores distâncias, mas por ser irrigada consome energia elétrica e teve maior consumo de água. Com os indicadores, é possível que os produtores reduzam os impactos e, consequentemente, promovam melhor seus produtos nacionalmente e no Exterior.

Fonte: Setor de Comunicação do Ital

Vídeo: Agrônomo do IAC explica como identificar doenças causadas por vírus em plantas

Em vídeo, o engenheiro agrônomo Dr. José Alberto Caram de Souza Dias, do Instituto Agronômico (IAC), explica de modo simples e acessível como identificar se as batatas, e plantas em geral, estão infectadas por algum vírus que pode prejudicar seu cultivo e produção. Recomendado para estudantes e produtores.

Com apoio da APTA, resíduo do tratamento de esgoto poderá se tornar fertilizante para agricultura em Piracicaba

Em torno de 1200 toneladas de lodo de esgoto, 180 toneladas de poda de árvores e 500 toneladas de grama cortada por mês que seriam descartados em aterro sanitário poderão agora se transformar em composto orgânico para a agricultura em Piracicaba, no interior paulista. O uso sustentável do resíduo do tratamento de esgoto e dos trabalhos de limpeza do município será possível graças a parceria entre a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, a Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq/USP) e a concessionária Mirante do grupo AEGEA.

A assinatura do acordo foi realizada em 21 de setembro e o projeto tem vigência até julho de 2021. A estratégia dos especialistas é utilizar a técnica de compostagem para viabilizar o uso desses resíduos na produção agrícola. “A compostagem é o processo mais adaptado para tratar resíduos orgânicos. Com ela, é possível estimular a decomposição de materiais orgânicos e a redução de contaminantes como patógenos e metais pesados para se obter um material estável, rico em matéria orgânica humificada e nutrientes minerais”, explica a pesquisadora da APTA, Edna Ivani Bertoncini.

Segundo a pesquisadora, o método permite o pós-tratamento do lodo de esgoto sem que haja mau cheiro e moscas. O processo de decomposição leva cerca de 60 dias. “A APTA realizará a montagem das pilhas de compostagem com diferentes cenários de composição dos resíduos e formas de revolvimento e irrigação das pilhas. O processo será monitorado diariamente e haverá coletas constantes dos materiais e sua análise laboratorial para verificar se o composto está adequado para ser usado nas plantações. Ao final do processo, teremos que aprovar o fertilizante no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)”, afirma Edna.

Paulo S. Pavinato, professor da Esalq/USP explica que o projeto em implementação em Piracicaba faz parte de um plano maior enviado para aprovação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), que busca dar um destino sustentável para todo o resíduo do tratamento de esgoto das cidades do Estado de São Paulo. “Estes projetos estão alinhados com o Novo Marco de Saneamento Básico, sancionado neste ano, que objetiva que as cidades tenham 100% de tratamento de esgoto e seus resíduos até 2030. É uma ação importante, que está alinhada à economia circular, de reciclagem de um resíduo que seria destinado a aterro sanitário, a um alto custo econômico e ambiental”, explica.

De acordo com Andrey de Souza, supervisor de operações da concessionária Mirante, com o projeto espera-se que 100% do lodo oriundo do processo de tratamento de esgoto do município não precise ser descartado em aterros sanitários. “Hoje, já desenvolvemos processo de secagem do lodo, o que reduz muito nosso volume de resíduo. Por mês, o município gera 1200 toneladas de lodo. Com a secagem, esse volume cai para 320 toneladas. Queremos agora, eliminar todo esse resíduo de forma completamente sustentável”, diz Souza.

Para o presidente da concessionária Mirante, Jacy Prado, “a implantação do secador solar de lodo e a parceria com a APTA e a Esalq/USP viabilizam a demanda em preservar o meio ambiente, pois, os ganhos obtidos com a implantação do projeto vão além da esfera corporativa, agregando benefícios à população e ao meio ambiente, tendo em vista que o processo permite a estabilização microbiológica e a inertização do lodo, o que representa o uso sustentável, evitando impactos e degradação do meio ambiente”.

Fonte: Assessoria de Imprensa – APTA

Inscrições para Mestrado no Instituto Agronômico de Campinas (IAC) vão até 22 de novembro

Foto: Martinho Caires

O Instituto Agronômico (IAC) está com inscrições abertas para o curso de Mestrado “strictu sensu” de Pós-Graduação em Agricultura Tropical e Subtropical IAC, de 12 de outubro a 22 de novembro de 2020. A inscrição pode ser feita no site (clicando aqui). A divulgação com os nomes dos aprovados e orientadores será feita até o dia 10 de dezembro no site do IAC, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. As aulas terão início no 1º semestre de 2021. O curso tem duração de dois anos. Este ano, pela primeira vez, desde 1999, o processo seletivo será realizado virtualmente.

“Acreditamos que esse modelo pode beneficiar os interessados que estão fora do estado ou até aqueles que estão em outros países”, diz Gabriel Constantino Blain, coordenador da Pós-Graduação do IAC, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).

Os interessados podem consultar a relação da documentação exigida e todas as informações sobre o processo seletivo no site do IAC, incluindo as literaturas recomendadas para as áreas de concentração: Gestão de Recursos Agroambientais, Genética, Melhoramento Vegetal e Biotecnologia e Tecnologia da Produção Agrícola.

Podem se candidatar engenheiros agrônomos, engenheiros agrícolas, biólogos e outros profissionais com diplomas universitários interessados em desenvolver atividades relacionadas com as ciências agronômicas.

Credenciado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), o curso de Pós-Graduação em Agricultura Tropical e Subtropical do Instituto Agronômico tem como objetivo a formação de pesquisadores, docentes e profissionais especializados em programas de mestrado e doutorado. A Pós-Graduação do IAC busca oferecer formação voltada para a pesquisa aplicada, com geração de tecnologia específica para cada cultura ou para cada linha de pesquisa no universo da agricultura tropical e subtropical.

Desde 1999, já foram defendidas mais de 460 dissertações no Mestrado. O curso de Doutorado teve início, em 2009, somando 76 teses defendidas. Blain explica que ao todo são 30 pesquisadores que atuam como orientadores. “Dependendo do desempenho dos candidatos o orientador seleciona mais de um mestrando”, explica.

Alunos da PG-IAC contam com bolsas de estudos junto a financiadoras como CAPES, Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (FAPESP), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e iniciativa privada.

Fonte: Assessoria de Imprensa – IAC

Programa BEST oferece bolsa para Mestrado Profissional no Instituto Butantan

O Programa BEST tem como objetivo despertar e qualificar novos profissionais para o mercado de trabalho no setor empresarial de biotecnologia e bioprocessos. Nesse sentido, o Programa cria uma interface entre o Instituto Butantan – renomado por suas atividades de excelência em pesquisa científica, inovação e produção de imunobiológicos – e empresas e institutos privados, com foco na geração de profissionais atualizados e capacitados para atuação nas empresas associadas, que oferecem uma bolsa de estudos para o Mestrado Profissional em Biotecnologia e Bioprocessos.

Cronograma

Inscrições

05 de outubro a 22 de janeiro de 2021

Seleção

08 a 12 de fevereiro de 2021

Divulgação dos resultados

19 de fevereiro de 2021

Clique aqui para ter acesso ao edital de seleção.

Clique aqui para fazer a inscrição

Coral do Instituto Butantan produz vídeo em homenagem aos profissionais que atuam no combate à pandemia

Em homenagem aos profissionais de saúde, pesquisadores e colaboradores do Instituto Butantan envolvidos ou impactados pela pandemia do novo coronavírus, o Coral Sabiás do Butantan gravou um vídeo especial em que interpreta a música “Canto do povo de um lugar”, de Caetano Veloso.

Sob a regência do maestro Luiz Celso Rizzo, o vídeo é formado por vários vídeos que foram gravados individualmente pelos cantores. “Desde o início da quarentena seguimos com os ensaios de forma online, mas percebemos que as plataformas de videochamada não são muito boas para ensaios em grupo. Então, começamos de forma individual. Isso é importante para manter a motivação neste período tão difícil”, diz o maestro.

O coral formado por 32 vozes (sopranos, contraltos, tenores e baixos) foi criado inicialmente para proporcionar uma melhor qualidade de vida aos funcionários, mas logo teve seu corpo ampliado para atender também integrantes do Circuito da Maioridade do Instituto Butantan. Pouco tempo depois, a diretoria estendeu a possibilidade de participação de toda a comunidade, interna e externa. Qualquer contato pode ser feito via e-mail: coral@butantan.gov.br.

Confira clicando na imagem abaixo:

Ital publica estudos sobre alimentos industrializados e divulga vídeo da APqC que ressalta a importância do instituto

Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital)

Com o objetivo de explicar a importância dos alimentos e bebidas industrializados para a alimentação e nutrição humana, através de informações técnicas e científicas, o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, lança neste Dia Mundial da Alimentação e Dia do Engenheiro de Alimentos, 16 de outubro, três novos estudos da Série Alimentos Industrializados 2030, que abordam biscoitos, iogurtes e sucos e outras bebidas não carbonatadas.

Assim como no primeiro estudo, lançado em março sobre pães industrializados, as publicações abordam origens e tipos específicos de produtos, sua composição detalhada, sua segurança para consumo e seu valor nutricional. “Como instituto de pesquisa dedicado à Ciência e Tecnologia de Alimentos, composto por especialistas na área, em grande parte engenheiros de alimentos, o Ital vem desenvolvendo nos últimos anos ações destinadas a contrapor mitos e preconceitos em relação aos alimentos industrializados, que acabam prejudicando a alimentação adequada ao perfil de cada consumidor: morador de zona urbana ou rural, rico ou pobre, com ou sem restrições de saúde”, afirma Luis Madi, coordenador do projeto Alimentos Industrializados 2030 e diretor de Assuntos Institucionais do Ital, que é vinculado à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta).

Na publicação sobre biscoitos, é feita, por exemplo, uma análise comparativa de 243 tipos e marcas de biscoitos, salgados e doces, das principais empresas produtoras no Brasil. Em relação ao valor nutricional, carregam nutrientes importantes para a nutrição humana, principalmente proteínas e fibras, existindo opções diet e light em açúcares e com teores reduzidos de calorias, gorduras saturadas e sódio.

Quanto aos iogurtes industrializados, o estudo aponta que os alimentos produzidos atualmente evoluíram juntamente com a história da alimentação humana, porém com requisitos relevantes como a melhora da qualidade e segurança, aumento da eficiência, redução de custos e aumento da vida útil, atendendo todos os tipos de consumidores.

A publicação dedicada aos sucos e outras bebidas não carbonatadas industrializadas, por sua vez, apresenta uma análise comparativa de diversas marcas comercializadas nos supermercados, relacionando os portfólios de produtos de grandes e pequenas indústrias e as diferentes modalidades: sucos, néctares, refrescos e alimentos líquidos. Muitos são fontes de vitamina C, outros apresentam poucas calorias e/ou pouco sódio e em vários ocorre a mistura de ingredientes destinados à melhora do perfil nutricional, como vitaminas, minerais, fibras e mesmo proteínas e ômega-3.

Valorização da Ciência e Tecnologia de Alimentos

Para contribuir com a disseminação de conhecimento sobre Ciência e Tecnologia de Alimentos e sobre o papel do Ital, a Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) lançou o vídeo ‘O que a pesquisa científica tem a ver com a sua alimentação?’. “Essa iniciativa da APqC aproxima os institutos de pesquisa e seus pesquisadores da sociedade e resgata a valorização da ciência e tecnologia em benefício da população”, destaca Eloísa Garcia, diretora geral do Ital.

“O Ital é uma referência em pesquisa, inovação e assistência tecnológica quando o assunto é conservação e segurança de alimentos no Brasil, mas, assim como acontece com quase todos os institutos, seu trabalho é pouco conhecido pela maioria das pessoas. Esperamos que esse vídeo possa ajudar a reduzir esse desconhecimento geral, valorizando os pesquisadores e pesquisadoras do Ital”, ressalta o presidente da APqC, João Paulo Feijão Teixeira.

Dia Mundial da Alimentação

Confira matéria abrangendo ações de todos os órgãos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo relacionadas à data especial no site da SAA.

Fonte: Assessoria de imprensa do Ital

Institutos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP integram semanas de Ciência, Tecnologia e Inovação

Laboratório de Embalagem Plástica Rígida do Ital (Crédito: Antonio Carriero/Ital)

Alinhados à Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), transformada neste ano em Mês Nacional de Ciência e Tecnologia, dois Institutos de pesquisa e um Polo Regional da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo participam de semanas municipais paulistas, que terminam na sexta-feira (23). O Instituto Agronômico (IAC) e o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), vinculados à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), integram a programação da Semana Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (SMCTI) de Campinas e de Presidente Prudente.

“A ciência e a tecnologia são fundamentais para todos os setores da sociedade. Iniciativas como as semanas municipais e nacional de Ciência e Tecnologia são muito importantes para que a população conheça as instituições de pesquisa e a relevância de seus estudos. No âmbito da Secretaria de Agricultura, temos seis Institutos e 11 Polos Regionais, com atuação em todos os setores do agronegócio. Essas instituições geram soluções para o campo e são imprescindíveis para a produção dos alimentos consumidos nas cidades”, afirma Antonio Batista Filho, coordenador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Confira as iniciativas abaixo.

Microrganismos podem ser benéficos?

Você sabia que os microrganismos nem sempre são prejudiciais? Muitas pessoas falam do coronavírus, que é um microrganismo, mas existem outros grupos como bactérias, fungos e dentre estes há as espécies, como a levedura, presente em pães, massas e bolos, que trazem benefícios para a alimentação, por exemplo. Esta e outras questões serão apresentadas por pesquisadores do IAC durante a Semana Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação de Campinas.

“Alguns microrganismos presentes na água, no solo e nas plantas podem ser benéficos. Na nossa área de trabalho analisamos a interação desses microrganismos benéficos com as plantas”, diz o pesquisador do IAC, Matheus Cipriano. De acordo com ele, o conjunto de microrganismos vivos compõe a microbiota do solo, composta principalmente por vírus, bactérias e fungos. “Essa microbiota é um fator primordial para garantir a qualidade do solo”, afirma. Os interessados podem assistir à apresentação ao vivo, às 9h, no dia 22 de outubro.

Segundo Cipriano, os laboratórios de Solos do IAC conseguem isolar esses microrganismos para que os profissionais possam estudar e verificar quais propriedades benéficas podem ser multiplicadas e aplicadas para a planta se desenvolver melhor no campo. Essas bactérias são aplicadas nas mudas de hortaliças, cana-de-açúcar, milho, café e soja. A opção por aplicá-las em mudas se deve ao fato de esse tratamento contribuir para o crescimento mais rápido das plantas. “Essas aplicações, além de aumentar a produção de biomassa das culturas, podem proteger as plantas contra uma grande gama de pragas e doenças. Outra curiosidade é que comemos vários alimentos que foram produzidos dessa forma, como no caso das hortaliças, e em relação ao manejo orgânico”, afirma Cipriano.

O IAC também participará com outras apresentações durante a SMCTI de Campinas como “Os solos e o ambiente: conhecer para conservar”, “Drones: utilização na gestão agrícola e ambiental”, “Vamos plantar salsinha”, “Nutrientes do solo e a segurança alimentar” e “Plantas também pegam doenças causadas por vírus”.

Conhecimento para estudantes de Ensino Médio

A partir de segunda-feira (19), às 9h, até sexta-feira (23), às 15h, os estudantes do Ensino Médio de Campinas poderão participar da atividade educativa Viva a Tecnologia de Alimentos, que ficará no ar durante o período vinculada ao site do Ital ( www.ital.agricultura.sp.gov.br). Composta por vídeos e jogos dedicados à Ciência e Tecnologia de Alimentos, a atividade pontua os participantes de acordo com o desempenho e o melhor colocado no ranking no fim do período ganhará um kit de alimentos industrializados e a publicação “Alimentos Industrializados – A importância para a sociedade brasileira” será entregue à sua escola.

Além do recém-lançado vídeo ‘O que a ciência tem a ver com a sua alimentação?’, produzido pela Associação de Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) com a Peripécia em parceria com o Ital, serão exibidos vídeos exclusivos com as pesquisadoras Izabela Alvim e Fabiana Ramos, que abordam alimentos processados, segurança dos alimentos, tipos de alimentos, embalagens, consumo e destinação.

Inovação

Pesquisadores do Ital e do Polo Regional de Presidente Prudente da APTA participam também da III Semana Municipal de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento, realizada pela Fundação Inova Prudente. As ações da APTA terão como público-alvo estudantes, profissionais e empreendedores.

Com o tema “inteligência artificial e nanotecnologia”, serão apresentadas as palestras “Inteligência artificial na agricultura”, proferida pelo pesquisador da APTA, Ricardo Firetti; “Acordos de pesquisa, desenvolvimento e inovação: estrutura e case de compartilhamento de área”, pela diretora de Programação de Pesquisa e vice-diretora do Ital, Gisele Anne Camargo; e “Tendências em embalagens: conveniência e sustentabilidade”, pela vice-diretora do Centro de Tecnologia de Embalagens (Cetea) do Ital, Fiorella Dantas.

Com informações da assessoria de Comunicação da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo