Pular para o conteúdo

Posts da categoria ‘Uncategorized’

IAC apresenta sua primeira cultivar de amendoim para o mercado de orgânicos

amendoim

O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) apresentou, na última edição da Agrishow, realizada em Ribeirão Preto no mês de abril deste ano, sua primeira cultivar de amendoim adequada ao mercado de produtos orgânicos. A IAC Top Verde, como foi batizada, tem grãos de pele vermelha e tamanho pequeno a médio. A nova cultivar tem alta resistência a doenças foliares, possibilitando o cultivo sem uso de fungicida. Neste caso, a sua produtividade é de até 5 mil quilos por hectare, resultado superior ao obtido por todos os amendoins de pele vermelha existentes no Brasil atualmente.
O pesquisador Ignácio José de Godoy, explica que a IAC Top Verde, ao ser cultivada sem nenhuma aplicação de fungicida, destaca-se de todas as demais do tipo pele vermelha, alcançando alta produtividade. “Porém, se usar fungicida, ela não tem seu melhor desempenho”, diz. Com esse perfil, o IAC top Verde chega como alternativa aos produtores que pretendem aproveitar mercados alternativos. “Este tipo de amendoim hoje representa um nicho de mercado para produtos orgânicos in natura ou confeitados”, afirma.
A alta resistência às doenças, além de abrir a possibilidade de alcançar as gôndolas de orgânicos, também reduz o custo de produção. A nova cultivar é de porte rasteiro, portanto adequada à completa mecanização da cultura, e tem ciclo entre 130 e 140 dias.
São Paulo produz 80% do amendoim nacional e as cultivares IAC ocupam cerca de 70% dessas lavouras. Agora o Instituto tem sua primeira cultivar na linha de alta resistência que dispensa o controle químico. “A IAC Top Verde é o início de uma sequência para aproveitarmos essa resistência, que veio de uma espécie silvestre”, afirma o pesquisador.
O instituto está trabalhando no desenvolvimento de outras cultivares com esse nível de resistências às doenças foliares e com o padrão comercial moderno, que envolve porte rasteiro e grãos de pele clara e tamanho grande.
“Embora o principal mercado de amendoim esteja hoje concentrado nos grãos tipo runner, com pele clara e grãos de tamanho médio a grande, IAC Top Verde oferece uma opção para produção a um custo menor, para situações em que a cor da pele e o tamanho dos grãos não sejam um pré-requisito, como em produtos em que o amendoim é blancheado (sem pele) ou os grãos são moídos”, diz.
Fonte: Assessoria de imprensa do IAC.

Pesquisador do Instituto Florestal faz levantamento das espécies botânicas que homenageiam o naturalista Alberto Löfgren

IF

A descoberta de uma nova espécie é sempre marcante. Não se trata de um momento, mas um processo. No caso da botânica vai desde a coleta até a minuciosa descrição e comparação com exemplares de outras espécies em herbários. Um acontecimento científico importante como esse, resultado de um trabalho que requer conhecimento e dedicação, frequentemente, rende homenagens que ficam eternizadas na nomenclatura científica da espécie.

Com a proximidade do Dia da Árvore, 21 de setembro, o pesquisador científico do Instituto Florestal (IF), Claudio Moura, realizou um levantamento das espécies botânicas que homenageiam Alberto Löfgren, o idealizador da 1ª Festa das Árvores realizada no Brasil, em 1902, no município paulista de Araras.

Löfgren nasceu na Suécia e veio para o Brasil no século XIX, tendo sido membro da Comissão Geográfica e Geológica da Província de São Paulo. Pioneiro da conservação da natureza, foi imprescindível para a criação do Serviço Florestal, atual IF.

Claudio conta que o naturalista sueco foi o coletor de algumas das plantas e até mesmo o descritor de outras. E no processo dinâmico da ciência, que está em constante aperfeiçoamento, muitas vezes as espécies recebem novas nomenclaturas.

“Löfgren foi homenageado por taxonomistas botânicos com um gênero e 22 espécies de plantas de 15 famílias, muitas das quais ele foi o coletor do material, tal como maracujá Passiflora loefgrenii descrita por Fábio A. Vitta, em 1997, com base no material coletado em 1894 na margem do rio Ribeira de Iguape”, conta o pesquisador.

A maioria dos materiais descritos em homenagem ao Löfgren foram coletados por ele em vários estados do Brasil, no período de 1888 a 1910, mas principalmente no estado de São Paulo.

Essa lista de espécies que remetem a Alberto Löfgren é apenas uma pequena parcela da contribuição que ele deu à conservação do estado de São Paulo e do Brasil. As espécies abaixo foram originalmente coletadas por ele.

  • Anthurium loefgrenii Engl. (coletada 1898 e descrita em 1905)
  • Bulbostylis loefgrenii (Boeckeler) Prata & M.G.López (coletada entre 1888 e 1889 e descrita em 2001)
  • Cuphea loefgrenii Bacig. (coletada em 1910 e descrita em 1931)
  • Dioscorea loefgrenii R.Knuth (coletada 1896 em e descrita em 1917)
  • Eleocharis loefgreniana Boeckeler (coletada em 1889 e 1889 e descrita em 1890)
  • Epidendrum loefgrenii Cogn. (coletada entre 1894 e 1895 e descrita em 1901)
  • Erythroxylum loefgrenii Diogo (coletada 1918 em e descrita em 1923)
  • Loefgrenianthus blanche-amesiae (Loefgr.) Hoehne (coletada em 1896 e descrita em 1927)
  • Myrsine loefgrenii (Mez) Imkhan. (coletada por Regnell em 1864 e descrita em 1902)
  • Ocotea loefgrenii Vattimo-Gil (coletada em 1910 e descrita em 1962)
  • Paspalum loefgrenii Ekman (coletada em 1910 e descrita em 1911)
  • Passiflora loefgrenii Vitta (coletada em 1894 e descrita em 1997)
  • Pelexia loefgrenii (Porsch) Schltr. (coletada em 1902 e descrita em 1920)
  • Peperomia loefgrenii Yunck. (coletada em 1897 e descrita em 1966)
  • Philodendron loefgrenii Engl. (coletada por Edwall em 1895 e descrita em 1905)
  • Piper loefgrenii Yunck. (coletada em 1888 e descrita em 1966)
  • Piptadenia loefgreniana Hoehne (coletada em 1894 e descrita em 1918)
  • Psychotria loefgrenii Standl. (coletada em 1894 e descrita em 1930)
  • Rhynchospora loefgrenii Boeckeler (coletada entre 1888 e 1889 e descrita em 1890)
  • Syagrus loefgrenii Glassman (coletada 1888 em e descrita em 1867)
  • Stelis loefgrenii Cogn. (coletada entre 1893 e 1894 e descrita em 1906)
  • Stomatanthes loefgrenii (B.L.Rob.) (coletada entre 1888 e 1889 e descrita em 2001)
  • Urospatha loefgreniana Engl. (coletada em 1889 e descrita em 1905)

Fonte: Assessoria de imprensa do Instituto Florestal e da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente.

Animação mostra a importância do pesquisador Alcides Carvalho para a cafeicultura no Brasil

Alcides Carvalho, pesquisador que trabalhou durante muitos anos no Instituto Agronômico de Campinas (IAC), é personagem da série ‘Cientistas do Brasil que você precisa conhecer’, produzida pela revista Nexo. Sua pesquisa genética revolucionou a cafeicultura no país. Por causa dela, hoje o Brasil é o responsável pela produção de um terço do café consumido no mundo. Clique abaixo para ver o vídeo.

APqC consegue vitória parcial na Justiça contra alienação de institutos de pesquisa

apqc_

A juíza Cynthia Tomé, da 6ª Vara, acolheu o pedido da ação movido pela Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC) contra a Fazenda Pública. A ação pedia que o Estado fosse obrigado a realizar audiência pública com a comunidade científica para discutir os Institutos de Pesquisas vinculados à Secretaria de Agricultura e Abastecimento que pretende alienar. Entre as unidades estão as de Pindamonhangaba (3.505.609,00 m²), Itapetininga (1.391.268,00 m²), Itapeva (484.000,00 m²), Tatuí (80.718,00 m²) e Nova Odessa (246.657,20 m²), entre outros. Em sua sentença, a juíza determinou que o Estado realize nova reunião com observância o artigo 272 da Constituição Estadual e ao 2º parágrafo do artigo 2º da Lei Estadual n. 9.475/96, e também que respeite o posicionamento da comunidade científica quanto ao resultado da audiência pública sobre as citadas unidades de pesquisa.

A juíza julgou procedente o pedido da APqC, anulando a audiência anteriormente realizada em 25/08/16, uma vez que esta não observou o quórum mínimo exigido em Lei, condenando a Fazenda Estadual a realização nova audiência com a participação de 50% + 1 da comunidade científica diretamente envolvida com a área, composta pelo seu corpo administrativo, científico e diretivo.

Vale observar que contra essa sentença ainda cabe recurso por parte do Estado, porém caso a decisão seja confirmada perante os Tribunais Superiores, todos os atos posteriores a audiência pública também serão nulos, inclusive as alienações posteriores já concretizadas, conforme defende Dra. Helena Goldman, advogada da APqC que patrocina a causa.

A presidente da APqC, Cleusa Lucon, enfatizou que aguarda desfecho final, porém adianta que a decisão foi “uma grande conquista para os institutos de pesquisa envolvidos, além da defesa da justiça e respeito às leis e a Constituição do Estado de São Paulo a que todos estamos subordinados, inclusive nossos administradores públicos”, disse.

 

Vídeo mostra benefícios da tecnologia do broto batata-semente desenvolvida pelo IAC

O vídeo abaixo mostra como a aplicação prática da Tecnologia do Broto Batata-Semente, desenvolvida pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC), tem criado uma acessibilidade muito maior aos produtores, além de proporcionar uma economia considerável não apenas no setor produtivo mas também na distribuição aos consumidores. O pesquisador científico José Alberto Caram de Souza Dias, responsável pela pesquisa que resultou na técnica aplicada, é um dos entrevistados.

Moradores e pesquisadores científicos fazem hoje mais um ato contra a privatização do Jardim Botânico em São Paulo

JB

O Movimento Lute pela Floresta e a Associação de Moradores e Amigos da Água Funda realizam hoje (13), às 11 horas, mais um ato de protesto contra a privatização do Jardim Botânico, do Zoológico e do Zoo Safari, compreendidos na área do Parque Estadual Fontes do Ipiranga, também conhecido como Parque do Estado. Segundo projeto de lei do Executivo, aprovado na Assembleia Legislativa de São Paulo este ano, a administração desses complexos de lazer e pesquisa será concedida à iniciativa privada pelo período de 35 anos.

Uma das preocupações dos moradores está no fato de que a área compreendida no projeto de concessão corresponde a 20% do Parque, o equivalente a 5 quilômetros quadrados, onde está situado o maior fragmento de Mata Atlântica da região metropolitana da capital paulista.

Além dos moradores, servidores públicos e organizações de cientistas e pesquisadores participam e endossam os atos contra a privatização da área, por temer que a exploração privada, além de impactos ambientais causados pelo aumento do fluxo de carros, possa causar também prejuízos à autonomia dos institutos de pesquisa.

“É preciso deixar claro que Jardim Botânico, Zoológico e Zoo Safari não são apenas espaços de lazer e turismo, mas centros de pesquisa com revelantes trabalhos desenvolvidos em prol da sociedade”, diz a Dra. Cleusa M. Lucon, presidente da Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC), que integra e apoia o movimento.

Ela cita que o Jardim Botânico, por exemplo, pertence ao Instituto de Botânica e é utilizado pelos pesquisadores como fonte de pesquisas, além de oferecer cursos de pós-graduação em Biodiversidade e Meio Ambiente, e de iniciação científica – programas que formaram mais de 800 alunos nos últimos anos. A manifestação acontecerá na entrada do Jardim Botânico (Avenida Miguel Stéfano, 3686, São Paulo). Leia abaixo as justificativas dos organizadores do ato e clique aqui para mais informações.

Por que somos contra a privatização?

O PEFI possui o maior fragmento de Mata Atlântica inserido na região metropolitana de São Paulo. Possui as nascentes do riacho do Ipiranga, o Jardim Botânico, o Instituto de Botânica e uma fauna silvestre diversa além de espécies ameaçadas de extinção. A exploração é uma ameaça a uma das última florestas na cidade de São Paulo.

O Jardim Botânico de São Paulo não é um parque e sim um espaço de preservação da biodiversidade botânica paulista, área de experimentação científica ambiental e visitação para fins educativos e contemplativos.

A concessão poderá afetar a autonomia para a realização das pesquisas desenvolvidas pelo Instituto de Botânica.

A importância do Instituto de Botânica para a sociedade não se expressa somente através do número de visitantes do Jardim Botânico, mas pela expressiva importância da instituição como centro de formação, treinamento e formação de recursos humanos aptos a atuarem nas políticas públicas de meio ambiente, saúde e educação em todo o país.

A concessão além de aumentar o valor dos ingressos do zoológico, dificultando o acesso da população a esse espaço poderá significar uma ameaça ao bem estar dos animais.
O valor que o Governo afirma que irá economizar (R$ 4 milhões/ano) é insignificante (0,0017%) diante do orçamento do estado que é de R$ 230 bilhões para 2019 e não justifica a concessão.

Para o bairro da Água Funda problemas podem ser ampliados como o descarte ilegal de lixo, a poluição e o trânsito, pois nenhum estudo de impacto do meio foi realizado para aprovação desta privatização.

APqC participará de debate na USP sobre os ataques à Ciência e Tecnologia no país

No próximo dia 20 de setembro, às 19 horas, acontecerá na Faculdade de Educação da USP o debate “Ciência e Tecnologia Públicas Sob Ataque”. O evento, que contará com mesa formada por especialistas de entidades como Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SP) e Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC), irá debater a situação a que os institutos de pesquisa e as universidades públicas têm sido submetidos no país e, em especial, no estado de São Paulo. O debate será voltado para alunos de graduação e pós-graduação e para professores, pesquisadores e funcionários técnico-administrativos das instituições paulistas e também será transmitido ao vivo pela internet. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone da Seção de Apoio Acadêmico da USP (11 3091-3574) e pelo e-mail apoioacadfe@usp.br. 

deb-C&T-20-9-2019-05cartaz

ABERTA AS INSCRIÇÕES PARA A ELEIÇÃO DA DIRETORIA BIÊNIO 2020/2021

Inscrições abertas para eleição biênio 2020/2021 para os cargos da Diretoria e Conselho Deliberativo.

Os associados interessados em integrar a nova gestão para o biênio 2020/2021 têm até 18 de outubro, até às 16h00, para se candidatar às vagas disponíveis para o próximo mandato. A inscrição dos candidatos deverá ser feita mediante requerimento à comissão eleitoral do registro de chapa, entregue via correios ou presencialmente no endereço disponivel no edital. A votação ocorrerá entre o dia 4 e 8 de novembro na área interna do sócio no site da APqC. A posse deve ser realizada na segunda semana de janeiro de 2020.

A inscrição é válida apenas para associados que estejam em dia com a Associação.

Participe! Mais informações sobre a eleição podem ser obtidas junto à sede da Associação, pelo telefone (19) 2514-1431 / WhatsApp (19) 9 9751-9371 ou pelo e-mail secretaria.apqc@gmail.com ou secretaria@apqc.org.br.

 

Confira o edital na íntegra:

Edital de Convocação Eleições biênio 2020-2021

 

Modelos de inscrição:

registro chapa 2020-2021

Certidão de Regularidade dos Candidatos 2020-2021

Chapa 2020-2021

Plataforma-Chapa 2020-2021

Relação membros diretoria APqC_2020-2021

Termo de Anuência 2020-2021

 

 

 

 

 

117ª Festa das Árvores mantém vivo o legado do botânico Alberto Löfgren

alberto

No próximo dia 11 de setembro, data que marca os 165 anos do nascimento do botânico Alberto Löfgren, será realizada em São Paulo, a 117ª Festa das Árvores. O evento idealizado por Löfgren teve sua primeira edição em Araras (SP), em 1902. A programação deste ano abrange uma série de atividades gratuitas (ver agenda no fim da matéria) no Museu Florestal Otávio Vecchi, situado no Parque Estadual Alberto Löfgren (Rua do Horto, 931).

Johan Albert Constantin Löfgren, que depois se tornaria Alberto Löfgren, nasceu em 1854, em Estocolmo, na Suécia. Radicado no Brasil anos mais tarde, notabilizou-se como botânico e foi um dos pioneiros do conservacionismo brasileiro, sendo responsável pela criação de algumas das primeiras áreas protegidas do país.

Apesar de pouco reconhecido em seu tempo, seu legado de pesquisador científico pode ser percebido, nos dias atuais, no cotidiano de instituições como Instituto Florestal, Museu Florestal, Museu Paulista da USP, Instituto Geológico, Parque Jardim da Luz, Instituto de Botânica, Jardim Botânico de São Paulo e Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, entre outros.

Em nota de pesar pela sua morte, ocorrida em 30 de agosto de 1918 quando exercia o cargo de chefe da seção de Botânica e Fisiologia Vegetal do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, a Revista do Museu Paulista da USP destacou as seguintes informações sobre Alberto Löfgren:

“O botânico Löfgren era um dos mais profundos conhecedores desse ramo das ciências naturais na América do Sul, tendo-se especializado no estudo da flora brasileira, ao qual se dedicou com grande afinco e assiduidade durante mais de 40 anos de vida laboriosa e útil”.

Também o jornal Correio da Manhã registrou a efeméride:

“Com o desaparecimento de Alberto Löfgren perdeu o Brasil um dos mais esforçados estudiosos da sua opulenta natureza vegetal. (…) serviu com devoção à natureza do Brasil, elucidando muitos de seus aspectos. Não lhe valeu isso para que fosse mais comentada a sua morte. Quase se pode dizer que fechou os olhos entre a indiferença do público, embora só fizesse por merecer a gratidão dos brasileiros. Atualmente servia no Jardim Botânico, que não se reparará facilmente da sua perda. No momento em que se cogita de legislar sobre a riqueza vegetal do paíz e está-se elaborando na Câmara um Código Florestal, a perda considerável de um valor como Löfgren, (…) tem uma significação desoladora. Quando se pensa em proteger as nossas florestas, a morte do homem que tanto fez por elas e ainda mais poderia fazê-lo agora, tem um sentido de um mau agouro”.

Apesar de ser botânico, contribuiu também como geógrafo para o adiantamento dos estudos geográficos no Brasil. Entre suas maiores contribuições à ciência brasileira destacam-se a fundação do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, do Centro de Ciências Letras e Artes (CCLA) de Campinas, da Sociedade Científica de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Sciencias.

A Festa das Árvores, evento criado por Alberto Löfgren com inspiração no Arbor Day, dos Estados Unidos, nasceu com o objetivo de sensibilizar os jovens da época sobre a necessidade de valorizarem as árvores e as florestas brasileiras que, já no início do século passado, estavam sendo dizimadas devido à ampliação das ferrovias. Seu objetivo continua intacto e o nome do botânico é sempre lembrado a cada edição.

Confira a programação da 117ª Festa das Árvores

WhatsApp Image 2019-09-02 at 11.19.52

Audiência popular discute hoje privatização do Zoológico e do Jardim Botânico de São Paulo

audiencia

A Associação de Moradores e Amigos da Água Funda (AMAAF) e o Movimento Lute Pela Floresta promovem hoje, das 17h às 20h, uma audiência popular contra a privatização do Zoológico e do Jardim Botânico de São Paulo, que poderá colocar em risco uma das últimas florestas nativas do estado. O evento acontece na sede da Associação (Rua Jacapé, 98, São Paulo).

A audiência servirá também para organizar e mobilizar a sociedade para o ato do dia 13 de setembro, às 11h, em frente ao Jardim Botânico, e para o ato do dia 20 de setembro, que integra a agenda da Greve Mundial do Clima e estará presente na manifestação marcada para acontecer às 16h na Avenida Paulista.

A Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo apoia o movimento e convida pesquisadores e pesquisadoras a participar das referidas atividades.