Pular para o conteúdo

Série “Mulheres que Inspiram”, da APTA, chega ao fim com homenagem à pesquisadora Edna Bertoncini

edna

Finalizamos hoje a campanha Mulheres que Inspiram, que ao longo de oito dias compartilhou histórias e trajetórias de mulheres que atuam nos seis Institutos e na APTA Regional.

Nossa personagem de hoje é Edna Ivani Bertoncini, pesquisadora do Polo Regional de Piracicaba da APTA, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. Edna é engenheira agrônoma e tem forte atuação junto aos produtores rurais. Suas pesquisas com azeite de oliva extravirgem também contribuem para transferir conhecimento aos consumidores e a melhorar o mercado nacional de azeites.
Obrigado a todos que nos acompanharam esses dias e parabéns às mulheres, que conquistam seu espaço e nos inspiram a seguir no caminho do conhecimento, do desenvolvimento científico e do agronegócio sustentável.

Edna Ivani Bertoncini escolheu cursar engenharia agronômica, embora seu pai sugerisse que cursasse engenharia mecânica e atuasse na indústria, pois dizia que os avós eram agricultores e o trabalho no campo não era valorizado. Seguindo os avós imigrantes e agricultores resolveu partir para agronomia. Logo depois, ingressou no mestrado para desenvolver projeto de pesquisa com uso de lodo de esgoto como fertilizante em solos agrícolas, uma área na época muito pouco conhecida no Brasil, mas que efervescia no exterior. Fez seu doutorado na mesma área e teve a oportunidade de fazer parte da pesquisa na Itália. Quando finalizou o pós-doutorado, prestou concurso e ingressou na APTA, em 2005.

Atualmente, desenvolve pesquisas na área de uso de resíduos como vinhaça, lodo de esgoto, e outros tantos resíduos orgânicos na fertilização de solos. A partir de 2009, coordena o Grupo Oliva SP, que visa fomentar a produção de oliveiras em São Paulo e incentivar o consumo de azeite de oliva extravirgem de alta qualidade. O projeto conta com 24 pesquisadores de sete instituições científicas. São Paulo possui 73 produtores de oliveira, muitos deles orientados diretamente pelo Oliva SP. Os conhecimentos e as tecnologias gerados pelo grupo de pesquisadores têm sido utilizados em outros estados produtores de oliveiras do Brasil. A área cultivada com oliveiras em São Paulo está em torno de 600 hectares, em 28 municípios. O Estado conta também com oito plantas, com capacidade de moagem de 3.075 kg de azeitonas/hora, e vários azeites paulistas ganharam nos últimos dois anos prêmios na categoria ouro em concursos internacionais.

Fonte: Assessoria de Imprensa da APTA

apta_edna

Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: