Pular para o conteúdo

Marcha Pela Ciência acontece domingo com várias atividades na Avenida Paulista

marcha_apqc

No próximo domingo (07/07), com concentração a partir das 16h no vão do MASP, em São Paulo, cientistas e professores das universidades públicas e dos institutos de pesquisa estarão reunidos para participar da Marcha Pela Ciência, que percorrerá a Avenida Paulista para chamar a atenção da população para a importância da pesquisa científica e protestar contra os ataques e cortes que a mesma vem sofrendo no Brasil.

Além da caminhada em si, uma série de atividades acontecerá no local. Mais cedo, das 10h às 17h, na altura do número 393 da Avenida Paulista, pesquisadores poderão apresentar seus trabalhos e experimentos para o público presente na Feira de Ciências. Os pesquisadores interessados terão barracas montadas como suporte para as apresentações, mas deverão se inscrever neste link (clique aqui).

Das 14h às 17h, no mesmo local, haverá exposição de banners científicos utilizados em congressos, simpósios, defesas de tese e outros eventos da área de pesquisa. A ideia é mostrar à população a produção científica gerada pelas universidades e institutos públicos. Os interessados podem inscrever seu banner no link a seguir (clique aqui).

Na sequência leia o manifesto assinado pelas entidades Cientistas Engajados; Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC; Academia de Ciências do Estado de São Paulo – ACIESP; Associação Nacional de Pós Graduandos – ANPG; Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo – APQC; Instituto Questão de Ciência – IQc; Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo – ADUSP; Associação dos Docentes da Unicamp – ADunicamp; e Associação dos Docentes da UNESP – ADUNESP. Não deixe de fazer a sua inscrição na Marcha Pela Ciência (clique aqui).

CARTA-CONVITE

A produção de conhecimento e a formação de profissionais qualificados é fundamental para sairmos da crise. Ainda assim, o governo federal congelou o repasse para as universidades, bolsas de pós graduação e projetos de pesquisa. Depois das grandiosas manifestações contra os cortes, em um acordo na Comissão de Orçamento, a oposição no Congresso Nacional conseguiu garantir R$ 1,3 bi para o Ministério da Educação, sendo 330 milhões destinados especificamente para bolsas de pesquisa. Mas continuamos com 42% dos recursos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações contingenciados, assim como a maior parte do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

No Estado de São Paulo, a queda na arrecadação reduziu o recurso disponível para a FAPESP, para as Universidades Estaduais e Institutos de Pesquisa.

O governo estadual, ao invés de ampliar o investimento em pesquisa, enviou e conseguiu aprovar na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei de concessão do Jardim Botânico – área fundamental para a pesquisa desenvolvida pelo Instituto de Botânica. Além disso, pretende unificar os institutos de Pesca e o da Aquicultura e transferir o Hospital Vital Brasil, referência internacional no atendimento a pacientes picados por animais peçonhentos, do Instituto Butantã para o Hospital Emílio Ribas.

Defender as instituições de pesquisa é defender o desenvolvimento do Estado de São Paulo.

Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: